conecte-se conosco

Notícias

Crise de energia no Brasil leva o país à evolução de sua matriz energética

O Brasil vive a segunda grande crise energética em 20 anos e a pergunta que fica é: há uma solução para esse círculo vicioso?

Imagem: Envato Elements

Publicado

em

O Brasil vive a segunda grande crise energética em 20 anos e a pergunta que fica é: há uma solução para esse círculo vicioso? Uma das soluções para o problema é a diversificação da matriz energética, que já começou e se acelerará nos próximos anos. 

Segundo Cláudio Frischtak, sócio da consultoria Inter.B, o risco da energia hidrelétrica aumentou significativamente nos últimos anos, com as mudanças climáticas e o desmatamento na Amazônia. “O desmatamento tem um grande efeito no regime hidrológico”, diz Frischtak

Se a questão do desmatamento não for resolvida, como mostram os sucessivos registros de destruição florestal, a matriz energética brasileira se diversificará muito nas próximas décadas. Em 2050, segundo estudo da consultoria Bloomberg New Energy Finance, cerca de 32% da energia nacional viria do sol, enquanto a energia hidrelétrica cairia para 30%. Já a energia eólica subiria para 14,2%. 

Para os próximos anos, o governo estima que será necessário aumentar a matriz energética em 6 gigawatts por ano. Grande parte desse número deve vir da energia solar. 

Só em 2021, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) estima que os investimentos somarão 22,6 bilhões de reais, o que geraria um crescimento de 4,9 gigawatts. “O Brasil tem uma boa incidência solar de norte a sul, então é possível gerar eletricidade de forma competitiva”, diz Rodrigo Sauaia, diretor-geral da Absolar.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidos