conecte-se conosco

Notícias

Brasil publica Plano Nacional de Energia até 2050

O Ministério prevê que entre 45 e 50% na matriz energética, e entre 80 e 85% na matriz de geração de energia elétrica, seja renovável.

Imagem: Ministério da Energia do Brasil

Publicado

em

O Ministério prevê que entre 45 e 50% na matriz energética, e entre 80 e 85% na matriz de geração de energia elétrica, seja renovável.

O Ministério de Minas e Energia (MME) do Brasil, em associação com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), divulgou nesta quarta-feira o Plano Nacional de Energia Elétrica até 2050 (PNE).

O objetivo, eles explicam, é “ajudar os tomadores de decisão em um contexto onde os relacionamentos são muito complexos, as incertezas e as variáveis ​​são abundantes, algumas mudanças às vezes são perturbadoras”.

O ministério afirma que “o PNE é um instrumento de grande valor tanto para o Governo como para a sociedade, especialmente para os empresários do setor”, e espera que seja “a base da qual planos, políticas, programas e iniciativas ”.

Entre as projeções mais otimistas, o Ministério destaca a grande oportunidade do país se tornar exportador líquido de energia.

Renovável

A estratégia é pautada por quatro objetivos principais – segurança energética, rentabilidade adequada dos investimentos, disponibilidade de acesso à população e critérios socioambientais – e utiliza cenários para discutir como maximizar os benefícios da atual transição.

1) Maior diversificação da matriz energética brasileira, na perspectiva de que 4 fontes de energia (petróleo, hidrelétrica, cana-de-açúcar e gás natural) explicarão 75% da oferta interna de energia em 2030.

2) Que a participação das fontes renováveis ​​na matriz energética gira em torno de 45% em 2030.

3) Maior consumo de energia per capita, 6,5% em 2030 em relação a 2005.

4) Tendência à eletrificação da matriz energética, em função do maior crescimento relativo do setor de serviços na economia, do aumento da participação da indústria de transformação e do crescimento do número de eletrodomésticos pela população.

Desafios de aumentar a energia fotovoltaica:

O PNE define dois desafios importantes para o aumento da geração solar no Brasil.

  1. Prepare a mistura para uma grande porcentagem de geração de variáveis ​​incontroláveis

NCREs introduzem maior variabilidade e menos previsibilidade na geração de eletricidade de curto prazo. O Brasil também terá que superar esse desafio, otimizando a operação de sua matriz com os novos investimentos necessários para garantir o abastecimento adequado, garantindo a devida neutralidade tecnológica na expansão necessária.

Além disso, o aumento da proporção de geração incontrolável na matriz elétrica brasileira, cada vez mais traz consigo a necessidade de adaptação dos modelos de simulação setoriais, inicialmente concebidos para um sistema puramente hidrotérmico e que hoje não representam adequadamente as incertezas. em relação a outras fontes. Fontes como a solar são atualmente representadas de forma determinística. “Portanto, é necessário aprimorar os modelos de precificação de energia elétrica, o planejamento e a operação do sistema elétrico para representar as características e incertezas inerentes a cada fonte primária, proporcionando maior segurança operacional e previsibilidade no curto e médio prazo. ”.

  1. Lidar com descarte e reciclagem de equipamentos

O crescimento da tecnologia fotovoltaica é relativamente recente e lidar com equipamentos que não são mais úteis para a produção de energia continua sendo um negócio complicado. Na prática, a vida útil dos módulos fotovoltaicos tende a ser superior aos 25 anos declarados pelos seus fabricantes, pois é o tempo a partir do qual a potência do equipamento atinge 80% do seu valor nominal. No entanto, independentemente da data em que ocorra, o grande volume de equipamentos (na ordem das dezenas de bilhões de módulos fotovoltaicos) torna relevante o impacto ambiental desse descarte.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidos