conecte-se conosco

Notícias

Brasil importou 4,88 GW de módulos fotovoltaicos no primeiro semestre

Segundo novo relatório da consultoria brasileira Greener, o Brasil instalou 1.450 MW de sistemas fotovoltaicos de geração distribuída e apenas 63 MW de usinas fotovoltaicas de grande porte no primeiro semestre de 2021.

Imagem: Envato Elements

Publicado

em

O mercado solar brasileiro retomou o forte crescimento em meados do segundo ano da pandemia Covid-19. Segundo relatório recente da consultoria brasileira Greener, o país importou 4,88 GW de módulos fotovoltaicos no primeiro semestre de 2021. Esse número se compara aos 2,2 GW dos primeiros seis meses do ano passado e supera os 4,76 GW de importações de módulos fotovoltaicos registadas ao longo do ano 2020.

As importações totais para o primeiro semestre de 2021 devem mobilizar investimentos de 20 bilhões de reais (3,81 bilhões de dólares) no Brasil, disse o CEO da Greener, Marcio Takata.

A importação massiva de módulos fotovoltaicos e inversores, no entanto, não reflete o volume de capacidade instalada. No primeiro semestre de 2021, foram instalados no país 1.450 MW de sistemas fotovoltaicos de geração distribuída e apenas 63 MW de usinas fotovoltaicas de grande porte. Em comparação, no primeiro semestre de 2020, esses valores eram de 2.644 MW e 793 MW, respectivamente.

“Começamos a sentir essa recuperação no final do ano passado, quando houve uma aceleração dos projetos de geração distribuída”, continuou Takata. “Esse foi um dos fatores que desencadeou a aceleração e levou as empresas a recompor os estoques.”

Módulos fotovoltaicos

A maior parte dos módulos usados ​​nos novos sistemas fotovoltaicos no Brasil continuam sendo importados. A participação dos fabricantes nacionais caiu no primeiro semestre de 2021 e representou apenas 1,8% do mercado, ante 3,8% no primeiro semestre de 2020 e 3% no primeiro semestre de 2019.

No geral, Longi foi o maior importador com 825 MW no primeiro semestre de 2021. Trina, Canadian Solar e Risen, por sua vez, tiveram volumes superiores a 500 MWp. O mercado continua fragmentado, com as 10 principais marcas correspondendo a 82% do mercado, entre 52 marcas ativas.

Inversores fotovoltaicos

No primeiro semestre de 2021, os inversores fotovoltaicos acima de 50 kW representaram mais de 50% do volume total importado de inversores string. O relatório não considera investidores centrais. Nessa faixa de potência, domina a Sungrow, com 853 MW exportados para o Brasil no período. Existem atualmente 33 marcas de inversores operando neste mercado.

Os inversores fotovoltaicos de menor potência (menos de 10 kW) responderam por 29% do volume importado no semestre. Entre as 64 marcas que atuam neste nicho, a Growatt foi a principal fornecedora com 247 MW.

Os inversores com potência entre 10 kW e 49,9 kW representaram 20,5% do volume total importado. Nessa faixa de potência, a líder no semestre foi a especialista brasileira WEG, com 183 MW fornecidos em 43 marcas.

6 GW de geração distribuída

Em junho de 2021, a geração distribuída de energia solar no Brasil, que inclui todos os sistemas fotovoltaicos com dimensão não superior a 5 MW, ultrapassou a marca de 6 GW de potência instalada, atingindo 6.142 MW. No primeiro semestre do ano, foram adicionados 1.450 MW, ante 1.296 MW no mesmo período de 2020.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidos