conecte-se conosco

Notícias

A demanda por módulos fotovoltaicos no Brasil chegou a quase 5 GW em 2020

De acordo com relatório recente da consultoria brasileira Greener, o país importou 4,76 GW no ano passado.

Imagem: Envato Elements

Publicado

em

De acordo com relatório recente da consultoria brasileira Greener, o país importou 4,76 GW no ano passado. Os fabricantes nacionais de módulos fotovoltaicos detêm 3,8% do mercado, com cerca de 190 MW em módulos expedidos. A empresa de análise revelou ainda que os preços dos sistemas fotovoltaicos de geração distribuída aumentaram 20% em 2020.

A demanda por módulos fotovoltaicos atingiu 4.950 MW no Brasil no ano passado, de acordo com um novo relatório da consultoria brasileira Greener.

Os analistas da empresa informaram que as importações de painéis totalizaram 4.760 MW e os produtos nacionais forneceram 190 MW, representando cerca de 3,8% do market share total. Em comparação, em 2019, as importações de módulos atingiram 4.134 MW e os produtos nacionais totalizaram 139 MW.

Módulos

O relatório também revelou que cerca de 32% dos módulos enviados usavam tecnologia de célula PERC monocristalina, enquanto esse percentual, um ano antes, era inferior a 10%. Os painéis PERC policristalinos atingiram uma quota de 24%, enquanto para os módulos monocristalinos standard e multicristalinos esta percentagem cifrou-se em 24% e 20%, respectivamente.

Canadian Solar, Trina Solar e Risen foram os três principais fornecedores no ano passado, com embarques de 926 MW, 824 MW e 797 MW, respectivamente. A Canadian Solar possui e opera uma fábrica de módulos solares em São Paulo e os módulos produzidos localmente se beneficiam de financiamentos a juros baixos de bancos de desenvolvimento brasileiros. A fabricante chinesa de baterias e módulos BYD, que também possui uma fábrica de painéis no Brasil, foi a quinta maior fornecedora, com 526 MW de módulos embarcados, atrás da Jinko, que forneceu 526 MW no Brasil no ano passado.

Investidores

As remessas de inversores no ano passado alcançaram 4.900 MW, dos quais 1.449 MW foram despachados apenas no quarto trimestre. Um ano antes, as remessas totais de inversores foram de 3,48 GW.

O maior fornecedor foi a chinesa Sungrow, com 651 MW, seguida da fabricante chinesa de inversores Growatt, com 467 MW, e da austríaca Fronius, com 456 MW. Um crescimento especialmente forte foi registrado no segmento de dispositivos com capacidades abaixo de 50 kW, Greener disse no relatório. Growatt, por sua vez, emitei um comunicado em que afirma ser o maior provedor de sistemas para sistemas residenciais do país.

Aumento de preço

Segundo o relatório, os preços dos sistemas fotovoltaicos no segmento de geração distribuída cresceram 20% no ano passado, devido à forte desvalorização do real e aos elevados custos logísticos. Em anos anteriores, no entanto, esses preços têm diminuído constantemente.

O custo médio de um projeto de 4 kW, por exemplo, passou de R $ 3,17 / Wp ($ 0,58) em janeiro de 2020 para R $ 3,30 / Wp em janeiro deste ano.

Para um sistema de 50 kW, o preço passou de 2,49 BRL / Wp para 2,72 BRL, enquanto para uma instalação de 1 MW a conta passou de 2,34 BRL / Wp para 2,55 BRL.

O governo brasileiro está apoiando a geração distribuída por meio do Convênio 16/15 (Convênio ICMS 16/2015), que isenta proprietários de sistemas solares com capacidade de geração de até 1 MW do pagamento do imposto estadual sobre vendas de ICMS no âmbito de uma rede regime de medição aberto a projetos de até 5 MW.

No ano passado, a energia fotovoltaica ultrapassou 7 GW no Brasil, segundo a Absolar,  e atingiu o recorde de US $ 2,43 bilhões em investimentos em 2020

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidos